Share |

Paula Nogueira foi conhecer o exemplo de Pontevedra

“Pontevedra revolucionou a sua cidade e, desta forma, democratizou o seu espaço público devolvendo-a às pessoas, especialmente aos mais jovens e aos mais idosos”. É esta revolução urbana, com as devidas adaptações, que defendemos para Braga”. É desta forma que Paula Nogueira, candidata pelo Bloco de Esquerda à Câmara de Braga, resume o interesse da visita que uma delegação do BE promoveu ontem à cidade galega de Pontevedra, recebida calorosamente pelo seu alcaide, Miguel Lores, que fez também questão de ser o cicerone.

 

A candidata mostrou-se fascinada com o ambiente urbano daquela cidade, onde foram abolidas as barreiras arquitetónicas e boa parte das ruas foi devolvida aos peões, permitindo a criação de várias praças e uma drástica redução da poluição e do ruído. Esta intervenção, recordou a bloquista, conferiu a Pontevedra o prémio Habitat, atribuído pela Organização das Nações Unidas (ONU), pelo seu trabalho na melhoria da qualidade de vida dos seus habitantes. “Claro que não podemos decalcar modelos, até porque se trata de cidades muito diferentes, mas temos que nos deixar de desculpas e iniciar, tal como Pontevedra, uma mudança no espaço público, em que as pessoas passem a ser mais importante do que os automóveis”, afirmou.

 

Outra questão que a candidata realçou é o facto de Pontevedra integrar a rede das “Cidades Amigas das crianças”, com os mais novos a tomarem parte em decisões políticas que lhes dizem respeito. Exemplo disso foi a transformação da Praça Barcelos, localizada em frente a uma escola pública, que foi praticamente resgatada ao automóvel e devolvida à população, graças ao trabalho conjunto de um grupo de arquitetos, juntamente com as crianças dessa escola.

 

Em Pontevedra, recordou ainda Paula Nogueira, a velocidade automóvel foi reduzida para os 30kms/hora e todas as saídas das escolas são orientadas pela polícia municipal, o que originou um grande acréscimo de segurança, mas também um grande contributo para a autonomia dos cidadãos mais novos. Por isso, a cabeça de lista à Câmara de Braga formula um desejo sincero: “gostaríamos muito que o Dr. Ricardo Rio e o Vereador Miguel Bandeira tivessem a humildade e a curiosidade de se deslocarem a Pontevedra para perceberem in loco que, quando há vontade política, podemos transformar a nossa cidade num local mais humanizado e aprazível. Para a candidata “o Eixo Atlântico é uma organização com muitas potencialidades, mas de pouco valerá ter encontros muito pomposos, se os seus protagonistas não forem capazes de olhar para a realidade concreta dos territórios e aprenderem com as melhores práticas”.

 

Refira-se que a delegação do Bloco de Esquerda que se deslocou a Pontevedra integrou também os cabeças de listas às Câmaras Municipais de Guimarães e Vila Nova de Famalicão, Wladimir Brito e José Luís Araújo, o cabeça de lista à Assembleia Municipla de Braga, António Lima, e ainda os dirigentes distritais Adelino Mota e Rui Antunes.