Share |

Bloco critica incapacidade para o diálogo da Câmara de Braga

Realizou-se, na manhã desta segunda-feira, a visita da Comissão Parlamentar de Cultura à Fábrica Confiança, com vista a verificar as condições do imóvel e a analisar eventuais soluções para a preservação do edificado. Nesta visita, estiverem presentes também os deputados eleitos pelo circulo eleitoral de Braga.

Em declarações à imprensa no final da visita, Pedro Soares afirma que o objetivo do Bloco de Esquerda quando apresentou o requerimento para esta visita era “proporcionar ao executivo a abertura de um diálogo com as instituições e sociedade civil, que permitisse encontrar soluções que não tenham de ser a venda em hasta pública”.

O deputado bloquista critica ainda a ausência de Ricardo Rio e dos vereadores nesta visita. “Demonstra que o Senhor Presidente da Câmara e o executivo não estão disponíveis para este diálogo, que me parece uma limitação enorme para que se encontre uma solução para a cidade e para o país”, refere.

Para Pedro Soares, “é necessário insistir na necessidade do executivo em encontrar soluções que prevejam a preservação do património e a sua utilização de acordo com os interesses da cidade e não com interesses meramente especulativos”.

“Há um conjunto de entidades que estão disponíveis para o diálogo, como o Ministério da Cultura, Assembleia da República, Junta de Freguesia e outras associações culturais, pelo que lamentamos que a câmara resista em não dialogar”, acrescenta o deputado.

“A única conclusão é que a Câmara já tenha o negocio feito, o que nos parece perfeitamente desajustado, tendo em conta a importância deste património para a cidade e para o país, em termos culturais, urbanísticos e da preservação da memória industrial”, conclui.

Após a reunião com a Platafoma Salvar a Confiança, o Bloco de Esquerda emitiu um comunicado, o qual repoduzimos na integra:

 

O Bloco lamenta profundamente a atitude da maioria do Executivo municipal que primou pela ausência.

Certamente por orientação do presidente da CMB, a sua chefe de gabinete tentou impedir a participação da Comunicação Social na visita, impedimento que só não se concretizou por iniciativa da presidente da Comissão.

No entanto, ficaram impedidos de entrar nas instalações da Confiança e de acompanhar os deputados, de forma injustificada, os membros da Plataforma Salvar a Confiança, deputados municipais, o presidente da Junta de Freguesia de S. Victor e outros autarcas

Esta postura da maioria do Executivo denota uma assinalável incapacidade para o diálogo, situação que em todo o processo relativo à Confiança tem dificultado que seja encontrada uma solução debatida e ponderada com entidades e personalidades intervenientes, nomeadamente com o Ministério da Cultura, que mantenha aquele importante património na esfera pública e ao serviço da população e da cidade.

Após a visita, a Plataforma Salvar a Confiança e autarcas bracarenses reuniram com a Comissão parlamentar, no Fórum Braga, onde ficou claro que a CMB deve assumir uma medida urgente de manutenção básica do edifício para impedir que o processo de degradação se acentua durante este inverno. A negligência da CMB sobre esta matéria ficou evidente durante a visita.

Por outro lado, foi reclamada capacidade de diálogo à CMB e, caso não queira fazer a gestão do espaço, atribui-la temporariamente a outra entidade, como a Junta de Freguesia em colaboração com associações culturais da cidade, que permita a utilização a curto prazo e a construção participada de uma solução mais estruturada para o edifício.

O Bloco considera que a CMB não pode tentar resolver a situação de forma precipitada, entregando o edifício a privados que apenas terão preocupações especulativas. A cidade precisa de ser envolvida na decisão, com o tempo necessário para que não sejam tomadas decisões precipitadas, irreversíveis e profundamente lesivas do interesse público.